Eternos (Por Eduardo Montarroyos)

Originários dos primeiros seres a terem habitado a Terra, Os Eternos fazem parte de uma raça modificada geneticamente pelos deuses espaciais conhecidos como Celestiais. Dotados de características como imortalidade e manipulação de energia cósmica, eles são frutos de experiências fracassadas de seus próprios criadores, que também foram responsáveis por gerar os Deviantes, seus principais inimigos.

Não é sempre que a MARVEL resolve nos entregar projetos mais ousados, geralmente dá para contar nos dedos as obras que saem de sua terrível zona de conforto intitulada de “fórmula MARVEL”, lembro de apenas quatro: Os dois últimos “Vingadores”, O Soldado Invernal e Homem de Ferro 3, este último deu muito errado, é considerado um dos piores do MCU. Mas ETERNOS entrou pra minha lista dos mais bem executados do estúdio, acredito que quase tudo nesta incrível obra funciona do jeito como foi arquitetada.

Existem aquele que ainda “brigam” e querem ver apenas histórias que não são ligadas um com as outras (independentes): Desistam! Essa nunca foi a realidade da MARVEL, tudo está conectado, temos que entender isso de uma vez por todas. Filmes independentes é mais a proposta da DC, aqui não! Com essa consciência o público aceitará a obra e a proposta desse novo longa que apesar de totalmente ligado às histórias anteriores dos heróis não deixa de nos entregar algo novo e original (apenas senti isso quando assisti “Guardiões da Galáxia” no MCU).

A MARVEL tenta concertar (e em minha opinião acerta) todas os seus elementos e alvos de críticas. A proposta em trazer uma ganhadora de Oscar para a direção nos faz entendermos a cagar dramática, longos e bons diálogos no qual explicar (até demais) tudo o que precisamos saber. O filme é longo e dinâmico e a divisão de tela entre seus personagens é bastante justa (algo muito difícil, pois temos muitos novos personagens num filme só). Apenas percebi que a inconfundível “Angelina Jolie” merecia mais destaque, não por causa apenas do seu nome, mas sua personagem não foi tão bem desenvolvida quanto os outros, nem que o filme ganhasse mais uns vinte minutos, eu não me importaria.

Críticos irão querer “crescer” nesta obra, tentando derrubá-la sem motivos, mas do mesmo jeito de que defendi “Batman v. Superman” como obra de entretenimento, não seria justo menosprezar esse incrível trabalho de MARVEL. Devemos tratar “filme de herói” como tal, toda a proposta do longo é apresentada e nos surpreende com grandes viradas, sem contar nas atuações que estão excelentes. Parabéns pela produção, o trabalho em IMAX está impecável e seus efeitos são “fora do padrão”. Que os Eternos sejam Eternos!

Joinhas:

4

Por:

@eduardomontarroyos

.0 / 5.0