Homem-Aranha: Sem Volta para Casa

Como sofremos ao nos depararmos com o final “agridoce” de ‘Homem-Aranha 3’, sem saber onde ia dar o romance entre Peter e Mary Jane. Como sofremos ao ver Grew Stacy cair antes que a teia de Peter a segurasse. Neste longa temos um novo Homem-Aranha, o Peter que estamos acostumados a acompanhar desde “Guerra Civil”, o Peter do MCU e não da “Sony” como os outros, mas será que esse Peter é mesmo digno de carregar o “manto” de um dos heróis mais apaixonantes do cinema? É exatamente isso que este longa tenta lhe provar.

‘Homem-Aranha: Sem volta para casa’ consegue “escancarar” o melhor e o pior da MARVEL STUDIOS. Sem dúvida este é um “evento”, algo que nos emociona sendo um verdadeiro banquete de “fan-servise”, não existe nada melhor do que reunir os amigos, fãs deste rico universo, para contemplar o fechamento desta pobre trilogia que só tem destaque e algum poder nesta diferente conclusão. “Sem volta para casa” consegue quebrar a maldição do terceiro filme, onde vários fechamentos de trilogia se perderam.

O problema é que quando “escavamos” algumas entrevistas antigas de cineastas veteranos e talvez recalcados (pode ser, não vou julgar). O que eles alegaram sobre os atuais filmes de “herói” começa a fazer sentido quando terminamos de assistir este novo longa e paramos para pensar na trama: É um verdadeiro “Parque de Diversões”, uma “montanha russa” de sentimentos. Entretanto, analisando todos os passos que ele compõe, não temos um filme real e sim uma grande dose de nostalgia quase vazia.

Não basta nos entregar exatamente aquilo que desejamos, um filme precisa ter uma boa fotografia e cenas de ação que surpreendam sem me distrair com outras piadas ou aparições icônicas. Não existe quase nenhuma reação nem consequências a problematização que o próprio roteiro causa, são tantos acontecimentos que não existe tempo nem cenas de contemplação, existe um nítido desespero em “dar o que a gente quer” e seus atos ficam muito abandonados. Ou seja, funciona como um lindo evento, mas de maneira nenhuma como um filme.

Joinhas:

3

Por:

@eduardomontarroyos

.0 / 5.0