King Richard: Criando Campeãs

Will Smith nos surpreende mais uma vez com um dos trabalhos mais satisfatórios do ano: King Richard: Criando Campeãs é um filme biográfico inspirado em Richard Williams, pai das famosas tênistas Serena Williams e Venus Williams. Destinado a fazer de suas filhas futuras campeãs de tênis, Richard (Will Smith) usa métodos próprios e nada convencionais, seguindo sua visão clara que construiu para as filhas Serena (Demi Singleton) e Venus (Saniyya Sidney). Determinado, o pai das garotas vai fazer de tudo para fazer com que elas saiam das ruas de Compton para as quadras do mundo todo.

O roteiro é bastante bem conduzido neste novo trabalho da Warner. É a prova viva de que talento e autodeterminação andam sempre juntos. Will Smith, apesar de uma atuação bastante caricata consegue nos emocionar em vários momentos, creio eu que tal performance o levará direto para o Oscar do próximo ano. A caricatura se fez um pouco necessária pois o ator interpreta alguém bem mais velho que a sua idade, alguns elementos, principalmente na forma de andar são bastantes atípicos em tela.

O diretor Reinaldo Marcus Green foge do clichê dos maiores filmes de competição para nos entregar algo mais realista e centrado no treinador e não nas atletas. Nitidamente o foco está sempre nas visões e no “grande plano” de Richard para as suas filhas e família. Esse é o ponto mais alto e também mais baixo do filme: Tanto holofote para Smith o torna um pai muito amoroso fazendo que com muitos dos escândalos do personagem na vida real e também os problemas que ele tinha com seus outros filhos, de outros relacionamentos (que são apenas mencionados) sejam propositalmente apagados da história e fim de vermos apenas um lado da moeda. O que temos é mais uma adaptação romântica do que uma visão realista das grandes Serena e Venus Williams juntas com o seu pai e sua mãe.

King Richard é o típico filme “para Oscar”, toda a sua fórmula está lá, e também é a melhor oportunidade de Will Smith levar uma estatueta desta vez. A história é vibrante e mais uma vez destaca o preconceito de uma família negra atrás de um futuro digno para suas filhas, nitidamente eles precisam se esforça em dobro para ter as mesmas oportunidades, tal clareza no roteiro é muito bem trabalhada e faz seu público refletir sobre isso.

Joinhas:

4

Por:

@eduardomontarroyos

.0 / 5.0