Matrix Resurrections (Eduardo Montarroyos)

“Matrix Resurrections” ou “Matrix 4” é a última aposta da Warner do ano. O novo filme é uma continuação direta da saga de Neo (Keanu Reeves) em sua busca pela libertação das pessoas aprisionadas mentalmente pelas máquinas. Aos que pensavam que esse seria uma “reboot” da franquia enganaram-se completamente (inclusive este que vos escreve), o novo longa continua a saga e é extremamente necessário você entender bem a primeira trilogia antes de conferir ‘Matrix 4’.

A trajetória de Neo nesta saga é uma grande metalinguagem a todos os acontecimentos dos filmes anteriores, desta feita o filme se auto sabota ao tentar preencher as lacunas de seus próprios erros. Todos os seus furos são explicados com falas e com desculpas, isso denota um roteiro um pouco preguiçoso, apesar de ser rico em detalhes, ele desesperadamente tenta responder todas as perguntas que o seu público talvez venha a cogitar, tal desespero é nítido em tela, por isso a auto sabotagem: Ao mesmo tempo que temos uma trama bastante fechada a mesma é denso e difícil de ser consumida pois existem várias teorias e explicações num filme de apenas duas horas e meia (acredite, isso é pouco para tanta teoria).

A produção está impecável e seus atores bastantes comprometidos, a ausência de alguns personagens é perfeitamente explicada e bem plausível. Lana Wachowski nos entrega uma “fanfic” da sua própria saga, existe nostalgia e ao mesmo tempo elementos novos com várias possibilidades de continuação. Destaque também para Carrie-Anne Moss (Trinity) que ganha o seu merecido destaque após três longos filmes. O amor entre os dois é o grande centro do roteiro e esse é um grande ponto positivo, apesar de alguns detalhes não serem explicados, principalmente em seu terceiro ato.

Matrix 4 não irá agradar ao público geral, a equipe de roteiristas não se importou nem um pouco com um possível novo público e sim com os seus fãs antigos que vibraram no cinema com a primeira trilogia. Mas, mesmo assim eu recomendo a todos a mergulharem nessa saga e fim de darem uma chance a essa continuação intrigante e palco de grandes divisões e discursões.

Joinhas:

3

Por:

@eduardomontarroyos

.0 / 5.0