Fitness

The Boys - 2ª Temporada

A segunda temporada, ainda mais intensa e mais insana, mostra os seus protagonistas fugindo da lei, caçados pelos ‘Super’s’ e tentando desesperadamente se reagrupar e lutar contra Vought. Escondidos, Hughie (Jack Quaid), Leite Materno (Laz Alonso), Frenchie (Tomer Capon) e Kimiko (Karen Fukuhara) tentam se ajustar a um novo normal, com Butcher (Karl Urban) em nenhum lugar.

Em meio a um mundo de séries e filmes um tanto saturado para o gênero “Herói” a “Amazon Prime” nos presenteia com este trabalho que é o completo oposto do que já presenciamos em tela sobre esta modalidade. Procurando alguma série para emplacar sua plataforma de Streaming o “Prime Vídeo” acerta em cheio quando resolve satirizar o herói ao invés de exaltá-lo. Tudo nesta temporada está mais elevado: Atuações, efeitos, tramas e até as cenas de ação são sequências insanas e memoráveis.

Vemos muito da humanidade de “Butcher”, seu lado familiar e dilemas muito profundos estão muito presentes. Tais camadas fazem o protagonista brilhar em todos os episódios. Do outro lado temos o antagonista “Homelander” ao lado da desbocada “Stormfront”, ambos também roubam a cena com tamanho talento para a vilania atuada. O arco da “Stormfront” é completamente satisfatório e bem fechado. Seu papel é cumprido ao longo da temporada. “Homelander” é aprofundado de um jeito invejável. É incrível ver a evolução de tal vilão, e ao mesmo tempo comtemplar sua incrível queda pessoal ao descobrir que, não importa o que ele faça, não consegue desvincular-se do seu carma: Ser um produto. Ele é um produto de todo aquele mundo empresarial no qual consegue ser mais insano e imprevisível que o próprio.

A série apenas perde o seu ritmo entre o episódio quatro e cinco. Esses são os momentos mais fracos desta temporada, como não tivemos todos os capítulos de uma só vez, ficamos defasados em duas semanas, entretanto, essa ideia de dividir em oito partes, e por semana, foi muito interessante. Enfim, esses episódios foram os que mais destoaram do restante pela falta de ritmo (Alguns pontos importante, aqui e ali). Enquanto no segundo capítulo (cuidado com spoilers) vimos toda a revelação sobre o composto V e a grande exposição na Vought (algo que pensávamos presenciar apenas no final da série, talvez) nos capítulos quatro e cinco esse ritmo não é honrado e vários arcos são esquecidos.

Entretanto, suas pontas (Episódios 1,2,3 e 6,7,8) são excepcionais. Incríveis revelações, grandes e poderosos novos personagens, ainda com tempo de desenvolver cada um dos “The Boys”. Ou seja, foram quase oito horas onde todo o tempo foi muito bem distribuído, entre bons diálogos, desenvolvimento de personagens, muita ação, e vários plot-twists com total relevância na trama. A segunda temporada de “The Boys” destaca a “Amazon Prime” e consagra seus roteiristas como um dos mais criativos e bem planejados de 2020. Apenas essa série vale a nossa assinatura da plataforma!

Joinhas:

4

Por:

@eduardomontarroyos

.0 / 5.0

2 Lados Online © 2014-2020. Created by Rafael Carvalho