The Boys - 3ª Temporada

CUIDADO, CONTÉM SPOILERS: The Boys chega em sua terceira temporada com um ritmo bastante frenético. Seus acontecimentos são objetivos e muitos originais. Muito diferente do que vemos nos principais universos de super-heróis hoje em dia (DC e MARVEL). Suas HQ’s, e consequentemente a série tem a proposta de nos mostrar como seria se pessoas tivessem superpoderes vivendo no mundo caótico em que vivemos hoje, provavelmente eles não seriam os heróis perfeitos e engraçados que encontramos no cinema. Essa premissa é bastante bem-vinda!

Desde o início da série ‘The Boys’ nunca teve “pena” de matar personagens e de virar as nossas expectativas sem se preocupar tanto com as consequências. Nós sempre fomos doutrinados pelo roteiro a entender que qualquer plano ‘perfeito’ poderia dar muito errado, e geralmente era isso que acontecia. Não é diferente com esta nova temporada, e muito mais, vários planos dão errado e várias alternativas surgem, uma mais interessante que a outra. Entretanto, quando chegamos no último episódio, toda essa proposta infelizmente é perdida por conta da manipulada linha narrativa.

Nenhum arco nesta temporada é fechado, tudo é deixado em aberto: Eles não têm coragem de matar do ‘Soldier Boy’, ‘Maeve’ fica viva e sem poderes, apenas por nítida pena de matar a personagem e dar a ela um final digno, afinal ela também já errou muito junto aos ‘Sete’. Se pelo menos ela ficasse viva e com os poderes, talvez pudesse pensar em fechar o seu arco matando ou ajudando a matar o ‘Capitão Patria’ um dia, mas nem isso eles deixaram com ela. Luz-estrela nos mostra que o ápice do seu poder apenas causa cócegas no vilão, enfim, muitos furos!

E tudo isso por que? Porque a repercussão da série está enorme e eles querem “arrastar” o final para mais temporadas quando vemos que nitidamente a história está caminhando para o seu fim. Ao invés de nos dar um final de temporada épico eles preferiram fazer como a MARVEL (algo que eles prometem não imitar) quando em muitos filmes só causam mais expectativa nas cenas pós-créditos que nos próprios filmes, fornecendo aquela incerta promessa de que “no futuro será melhor”.

Joinhas:

3

Por:

@eduardomontarroyos

.0 / 5.0